De ouro, minúsculo ou 'ostentação': tapa-sexo é 'muso' no carnaval

Posted on 2/16/2015 by UNITED PHOTO PRESS MAGAZINE



Acessório é usado para 'driblar' proibição de nudez nos desfiles. Produtor do Rio criou tapa-sexo de vergalhão e à prova de quedas.

A única exigência é o tamanho: que seja pequeno. O resto vai da ousadia e do desprendimento de quem veste. Tem a versão ostentação e banhada a ouro, tem a que exige uma depilação radical e tem a de vergalhão, material comumente usado na construção civil (o criador assegura:confortável e funcional). O tapa-sexo é a estrela por trás (e por baixo) das musas do carnaval 2015. Quanto menor a extensão, maior a repercussão. O campeão, até aqui, é um prodígio da discrição: ostenta contidos e providenciais 2,5 cm de largura. 

"Eu costumava usar o tapa-sexo de 5 centímetros, mas neste ano eu vim com um só de 3", disse ao G1 Andreia Martins, musa da Unidos de Padre Miguel. Ela desfilou neste sábado (14) pela Série A do carnaval do Rio. "Ano que vem a gente tenta um de 2 [centímetros]", prometeu. Veja, abaixo, outros polêmicos tapa-sexos do carnaval 2015.

Existem essencialmente duas técnicas para se usar um tapa-sexo: ou se cola ou se encaixa. Andreia, por exemplo, colou. Mas e para tirar? "Com todo cuidado: [uso] óleo mineral, vai tirando bem devagarinho", afirmou ao G1 (assista à entrevista no vídeo acima). Em 2008, a modelo Viviane de Castro, da São Clemente, recorreu a Super Bonder. Não há detalhes sobre como ela se livrou do adereço.

























Já o tapa-sexo do vergalhão, usado neste sábado (14) no Rio por Elo Santos, musa da Renascer de Jacarepaguá, é "encaixável". "Ele dá uma pressão que a pessoa pode sambar e não cai", assegurou o criador da peça, o produtor Kiko Alves (veja no vídeo abaixo).

O tapa-sexo é um bem necessário, está nas regras do jogo. Diz o regulamento da Liga Independente das Escolas de Samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro (Liesa), artigo 26, inciso V: “[é obrigatório] impedir a apresentação de pessoas que estejam com a genitália à mostra, decorada e/ou pintada”. Se algum desinibido desfilar pelado, a escola é punida: perde 0,5 ponto. É assim desde 1990. O veto da Liesa foi motivado por Enoli Lara, primeira mulher a cruzar a Sapucaí totalmente nua.

Em 1992, ocorreu uma punição. O ator Torez Bandeira desfilou pela Beija-Flor apenas com um esparadrapo, mas ele perdeu o artifício em algum momento – e a escola perdeu pontos.

No regulamento da Liga Independendente das Escolas de Samba de São Paulo não há uma determinação específica quanto ao tema, mas a nudez é, sim, proibida, informa ao G1 a assessoria de imprensa da Liga. 





























A Miss Bumbum Bahia, Yara Muniz, escolheu desfilar com um tapa-sexo minúsculo na madrugada deste domingo (15) em São Paulo. Madrinha da harmonia da escola de samba Acadêmicos do Tatuapé, ela afirmou ao G1: “Em todos os ensaios, eu vim comportada. Quis ousar". Segundo ela, a peça banhada a ouro e todos os demais detalhes da fantasia custaram R$ 20 mil. A fantasia tinha peças folheadas a ouro e ainda cristais Swarovski.

Musa da Renascer de Jacarepaguá, quinta escola a desfilar na Marquês de Sapucaí neste sábado (14), pela Série A do caranval do Rio, Elo Santos usou um tapa-sexo imenso (ao menos se comparado ao da concorrência): intermináveis 8 centímetros de largura. O diferencial era o vergalhão aplicado na construção do acessório, criado pelo produtor Kiko Alves. Ele recorreu ao material (o mesmo usado para erguer prédios e viadutos, exemplifica) para fazer um tapa-sexo à prova de queda. A ideia é evitar incidentes e punições. "Isso aqui segura tudo", afirmou Elo Santos ao G1.

Destaque de chão da Mancha Verde, a musa Juju Salimeni desfilou nesta sexta-feira (13) em São Paulo com uma fantasia dourada e "econômica". Ela destacou que saiu barato: R$ 10 mil. "Dá pra fazer algo bonito sem gastar, ficou como eu queria", comemorou a ex-panicat. Juju contou que o traje foi o mais "econômico" desde que começou a sair pela escola e deixou de lado as tradicionais pinturas corporais.

Andreia Martins, musa da Unidos de Padre Miguel, desfilou neste sábado (14) pela Série A do carnaval do Rio com um tapa-sexo de 3 centímetros e o corpo todo desenhado. Apesar de pequena, a fantasia, segundo ela, custou cerca de R$ 35 mil. "Demorei três horas e meia para me pintar", disse a passista, que é conhecida como a musa do corpo pintado. “Eu costumava usar o tapa-sexo de 5 centímetros, mas neste ano eu vim com um só de 3 centímetros. Tive que me depilar totalmente para isso”, detalhou. Para retirar a pintura do corpo, com óleo mineral, ela leva cerca de três horas. Em 2016, a fantasia deve diminuir: "Ano que vem a gente tenta uns 2 [centímetros]", prometeu.